A Escola de Samba Acadêmicos da Vila, que desfilou com o enredo “Na Passarela da Glória, a campeoníssima conta sua história – Chico Zamper Um brinde de prata a um tesouro guardado no tempo”,  deverá ser penalizada com a perda de 3 pontos durante a apuração do Carnaval 2017, que acontecerá na quarta-feira, dia 1º de março, a partir das 14h, no Complexo Integrado de Segurança, Emergência e Mobilidade – CISEM, já que estourou o tempo permitido para o desfile.

A escola, que foi a última a desfilar pelo Grupo Especial na noite de domingo, dia 26, ainda tentou correr, mas não conseguiu terminar o desfile dentro da 1 hora prevista para sua apresentação.

Conforme as informações colhidas junto a Comissão de Cronometragem a escola desfilou em 1 hora 2 minutos e 29 segundos, ou seja, estourou o tempo de desfile em 2’29”.

De acordo com o Art 25, do regulamento do Carnaval 2017,  a escola deve perder 1 ponto por não ter cumprido o tempo máximo de desfile. Deve perder também, 1 ponto para cada minuto completo, em que desrespeitou o prazo máximo de desfile, ou seja, deve perder com isto, mais 2 pontos, totalizando assim menos 3 pontos.

Um dos motivos do atraso da escola, foi a Comissão de Frente, que tinha uma coreografia complexa e de demorada evolução.

Todas as outras escolas cumpriram o regulamento. A escola de samba Águas Claras, que tinha como enredo  “Yabas”, e falava das religiões de matriz africana, como o candomblé, desfilou em 50 minutos e 6 segundos.

A escola foi a primeira a desfilar e apesar da regularidade da apresentação visualmente foi a menos luxuosa.

A Nove de Julho, que foi a segunda a desfilar, apresentou o enredo “Arte na Pele em Forma de Expressão – Majestade Minha Eterna Paixão”. A escola que falou sobre tatuagens, apresentou um desfile extremamente técnico em 54 minutos e 55 segundos.

Noy Camilo, representou o papa no Abre Alas da Nove de Julho

O carro abre alas da Nove de Julho, tinha como destaque o ex-secretário de Cultura e Turismo e ex-vereador, Noy Camilo, que durante anos presidiu a Escola de Samba Saada Abi Chedid, que há alguns anos deixou de desfilar. Noy, representava o papa. O carro representava a igreja, que fazendo uso de seu poder perseguiu e proibiu a tatuagem, considerando-a uma ação demoníaca, vandalismo no próprio corpo.

A Dragão Imperial apresentou o enredo “Contra Tudo e Contra Todos eu Busco a Paz”, ressaltando que apesar das rivalidades entre as escolas era preciso união para resgatar o Carnaval em Bragança Paulista.

Enquanto casal de Mestre Sala e Porta Bandeira se apresentava em frente da terceira cabine, buraco se formou na escola

 

 

A escola fez sua apresentação no limite e teve alguns problemas de evolução em frente a terceira cabine de jurados. A comissão de frente, evoluiu com medo do tempo estourar e enquanto isto o casal de Mestre-sala e Porta-bandeira se apresentava para os jurados. Com isto, abriu um grande buraco no desfile o que pode ocasionar a perda de pontos.

A Dragão Imperial apresentou um desfile luxuoso, grandes carros alegóricos e terminou o desfile em 59 minutos e 32 segundos, ou seja, no limite.

A Lavapés, foi a quarta escola de samba a desfilar, com o enredo “Um pantanal de belezas mil, é Mato Grosso no coração do Brasil”.

Em um dos carros alegóricos, a escola tinha como destaque a Dani Berranteira, que tocou seu berrante durante toda a avenida. A Lavapés, fez o seu desfile em 54 minutos e 21 segundos.

No sábado, dia 25, foi realizado os desfiles das escolas de samba do Grupo de Acesso Imério Jovem e Fraternidade e também das escolas de samba mirim Herdeiros do Dragão e Vila do Amanhã e escola da melhor idade Realeza Imperial. Segundo os organizadores do Carnaval, tudo ocorreu dentro da normalidade.

 

ACIDENTE

Durante os desfiles, na dispersão, Mauro, um funcionário da Secretaria Municipal de Serviços caiu da escada, no momento que auxiliava integrantes da escola de samba Dragão Imperial, que estavam com dificuldades de retirar o carro alegórico da dispersão, porque o mesmo estava se enroscando nos fios.

Acabaram puxando o carro, e o funcionário caiu, sendo socorrido pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) ao Hospital Universitário.

A Prefeitura não havia informado até as 9h20 desta segunda-feira, dia 27, o estado de saúde do funcionário.

ESTRUTURA E SEGURANÇA

Com relação a estrutura, os camarotes e arquibancadas foram cedidos pelo Governo do Estado.

Apesar de não ser  a mesma estrutura de anos anteriores, sem cobertura, por exemplo, das arquibancadas, a estrutura montada conseguiu atender o público presente.

Chamou atenção e gerou reclamação das escolas de samba, a falta de cronômetros na avenida para que pudessem acompanhar o tempo de desfile. A cronometragem foi feita apenas pela comissão.

A primeira cabine de jurados, este ano, estava na famosa curva e como também teve alteração em alguns metros, no local de largada, algumas escolas podem perder pontos na primeira cabine, por exemplo, de evolução, pois os jurados conseguiam observar as escolas já no momento de sua montagem.

Com relação à segurança, antes do início do Carnaval a reportagem do Bragança em Pauta  questionou Prefeitura sobre a empresa contratada para realizar a segurança, qual o número de pessoas contratadas, mas não obteve retorno. No Imprensa Oficial não foi publicado até o momento o resultado da licitação.

Na passarela foi possível observar que além de seguranças, da Guarda Civil e da Polícia Militar, havia diversos bombeiros civis.