Alunos de medicina da USF protesto

Alunos de medicina do campus de Bragança Paulista da Universidade São Francisco (USF) fizeram durante a manhã e tarde desta quarta-feira, 22, protestos contra, por exemplo, o aumento de cerca de R$ 3 mil no valor da mensalidade.

O aumento não é válido para os atuais alunos mas sim para os que ingressarem na USF no próximo vestibular. Atualmente a mensalidade é de R$ 6.800,00 e para os novos alunos será de R$ 9.700,00.

Os alunos reclamam ainda de alterações na grade curricular, implantação de aulas à distância. Eles também falam em falta de esclarecimentos por parte da direção da universidade.

A mobilização contou com apoio do Centro Acadêmico e da Atlética de Medicina.

As reclamações dos alunos

Os alunos disseram à reportagem do Jornal Bragança Em Pauta  que ficaram sabendo que haveria mudanças na grade curricular a partir do segundo semestre, através de redes sociais de terceiro.

Desde abril eles têm realizado diversas reuniões com a direção da universidade, no entanto, disseram que não houve negociações. Eles querem garantias de que as mudanças não afetarão a qualidade do curso.

Os alunos  temem que as mudanças prejudiquem, não só a qualidade de ensino, para quem ainda vai entrar na universidade mas também quem já cursa medicina.  Em um bate papo com a reportagem, disseram que a USF de Bragança Paulista é  reconhecida como uma das faculdades de medicina mais tradicionais do país. Eles criticam a decisão de que sejam ofertadas aulas à distância, por exemplo, de ética, empreendedorismo, metodologia científica e estudo do homem contemporâneo.

Para eles isto pode trazer danos à imagem e credibilidade do curso, que obteve nota 5  (nota máxima) do Ministério da Educação.

Aliás, durante todo o protesto este era um dos gritos de guerra dos alunos: “MEC nota 5, currículo nota zero”.

Confira imagens da manifestação:

Os alunos, estavam todos vestidos de preto e fizeram uma caminhada no interior do campus pela manhã e a tarde, saíram do prédio central e seguiram, por fora da universidade até o ambulatório e Hospital Universitário.  Lá, deram um abraço simbólico ao prédio.

Outra reclamação dos alunos é que haverá um corte na grade curricular de 700 horas de atendimento.

Durante toda a quarta-feira, além de suspender às aulas teóricas, os alunos suspenderam também as aulas práticas,, ou seja, os atendimentos médicos efetuados por alunos de 5º e 6º ano.

Aliás, os alunos reclamam justamente das condições destes atendimentos, já que segundo eles, tem muito aluno para poucos pacientes. Eles questionam como a USF irá aumentar a quantia de oferta de vagas sem mexer na estrutura oferecida.

Com a palavra à USF

A reportagem do Bragança Em Pauta, entrou em contato com a direção da universidade que divulgou uma nota oficial sobre o tema. Confira a nota na íntegra:

NOTA DA USF

A Universidade São Francisco (USF), reconhecida como instituição comunitária do ensino superior, com mais de 40 anos de história dedicada à Educação, ressalta que mantém o compromisso com a formação dos seus estudantes e com a qualidade dos seus processos de aprendizagem.

 Destaca que o Curso de Medicina se encontra no seleto grupo das instituições avaliadas com nota máxima pelo MEC.

 Esclarece que as mudanças aplicadas no Curso de Medicina têm o objetivo de atender às diretrizes curriculares definidas pelo MEC e os novos instrumentos de avaliação do INEP.

 Para corresponder as demandas acima citadas, a Instituição reposicionou o perfil pedagógico e atualizou as atividades formativas do Curso, a partir de uma nova matriz curricular, visando a inovação, a preparação do formando para os avanços das práticas médicas e do mercado de trabalho, os progressos tecnológicos e a vivência prática-profissional, com investimentos em cenários de simulações realísticas e modernos laboratórios.

 A nova matriz e o novo valor de mensalidade contemplarão os alunos ingressantes a partir do 2º semestre de 2019.

 A ampliação do número de vagas independe da autonomia constitucional da Universidade. Somente é concedida pelo Ministério da Educação, após consulta ao Ministério da Saúde, às Instituições que demonstram nível de excelência na prestação de serviço e qualidade de ensino reconhecida.

 Para os alunos matriculados em curso, não haverá alterações acadêmicas e financeiras, além das previstas em contrato.

 Os ambientes de prática profissional obrigatórios como parte da formação dos estudantes não são de responsabilidade de gestão da USF, exemplos: Ambulatórios, Unidades Básicas de Saúde e Pronto Atendimento.

 A USF reitera ainda que esses e outros esclarecimentos já foram compartilhados com os estudantes, em mais de uma ocasião, e que a Direção da Universidade permanece à disposição.

 Sendo assim, a USF reitera sua dedicação com a qualidade da Educação e com o compromisso democrático da livre manifestação.

 Reitoria da Universidade São Francisco (USF).”

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta