Balanço do Rolezinho: um PM ferido e 8 pessoas conduzidas à delegacia

No domingo, um rolezinho, gerou muito tumulto e confusão na Concha Acústica e devido as inúmeras reclamações recebidas, o Bragança Em Pauta, entrou em contato, com a Assessoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que nos enviou um balanço do ocorrido.

Vale lembrar que uma mulher, que nada tinha a ver com a história, foi atingida por uma bala de borracha nas costas, quando estava dentro de um supermercado na Avenida Juscelino K. de Oliveira, com sua filha, o marido e a cunhada, grávida de 7 meses. Por sorte nada de mais grave ocorreu.  Leia também a matéria “Rolezinho é marcado por confusão”, que divulgamos em primeira mão, ainda no domingo, dia 3.

Após a divulgação da nota, recebemos relatos de uso de bombas de efeito moral, de menores alcoolizados e drogados e também de muita correria, confusão e abusos.

Questionamos se a PM se a corporação tinha conhecimento anterior da realização do evento. A informação, nos enviada, por e-mail foi que por volta das 18 horas, houve uma ocorrência de Perturbação de Sossego, que foi irradiada via Centro de Operação da Polícia Militar (COPOM), que têm sede em Campinas.

A informação é que havia “um veículo estacionado com música alta, de ritmo Funk, nas proximidades da Concha Acústica”. Foi então que equipes da 1ª Cia da PM, foram disponibilizadas para o atendimento. Ao todo, segundo a nota, 7 policiais se deslocaram para o local.

“Ao chegarem ao local, foram hostilizadas com ofensas e agredidas com arremessos de
pedras e garrafas. A ação e atuação foram rápidas para que a paz fosse restabelecida, e os jovens
agressivos foram contidos com força e meios moderados, para que fosse possível um diálogo”, afirma a PM na nota.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Segundo a assessoria de imprensa da PM, um policial militar ficou ferido com uma pedrada na cabeça, ao descer da viatura. Ele foi hospitalizado, medicado e liberado.

Ainda segundo informações da PM, “foram detidos 8 infratores e com um deles foi encontrada uma pedra de crack e com outro um litro de bebida alcoólica (conhaque)”.

Eles foram conduzidos ao Plantão Central da Polícia Civil, ouvidos e liberados, após o  registrado de um Boletim de Ocorrência de Lesão Corporal/Resistência.

Nas redes sociais, inúmeras são as reclamações contra a atuação da PM, não só de jovens, que estavam na festa, mas de pessoas que estavam nos supermercados nas proximidades, e viram o corre corre, os tiros de bala de borracha e a confusão.

Uma adolescente, que prefere não se identificar, com medo de represálias, desabafou à reportagem, que o “rolezinho”, estava programado para começar as 14h e acabar as 22. “Pra infelicidade dos “adultos” o que toca no nosso momento é o FUNK. É o meu e de muitos estilo musical. Ninguém é obrigado a escutar ” GALOPEIRA ” só porque a geração deles não são como a nossa”, disse.

Ela completou ainda que realmente havia vários menores vários menores de até 12, 13, 14 anos, bebendo e usando drogas. “A fama mais conhecida é que fazem isso nos bailes funks porém, droga e bebida usam em qual quer lugar; sendo um beco ou um lugar público. Mas, alguém já parou pra pensar, que ninguém usa DROGA na presença de um PM! Quem vai vender bebidas aos menores com o supervisionamento da policia?”.

A garota, ressaltou que a PM poderia ter feito seu trabalho de patrulhamento preventivo no local. “Eles TEM esse direito! Mas ao invés eles usam o poder dele sobre nós, nos oprimindo e nos atirando bombas! Eles falam que querem nos proteger mas será que essa é a forma mais avançada de proteção? Infelizmente, não se passaram 30 minutos e já estávamos todos nós lá de novo”, desabafou.

A jovem, em seu desabado ainda questiona:  “Essa é a forma mais avançada de proteção pros nossos jovens? Aonde teremos um local de diversão sem a opressão e preconceito de muitos? Qual é o verdadeiro motivo da proibição desse tipo de encontro? Podemos contar com a PM? Podemos discutir e escolher a melhor forma pra se resolver um problema? Ou correremos de bombas o tempo inteiro por falta de compreensão de que não temos onde curtir nossa adolescência?”, questiona.

Confira imagens da confusão, gravadas por nossos leitores e nos enviadas.

6 Comentários

  1. Os jovens d hj não sabem o q é viver….precisam d Deus em suas vidas….estao se matando aos poucos….

  2. É engraçado os pais não pode bater em seus filhos mais a polícia pode chegar batendo para mim isso é abuso de autoridade .É um absurdo sorte que meus filhos não foram acertados .Bragança não tem nenhum lugar para eles frequentar curtir a vida quando jovem drogas tem em qualquer lugar.

  3. Esses jovens misturam diversão com se drogarem e beber até faze merda por aí kkkkkkkkk jovens merecem o respeito , más os policias merecem muito mais que respeito tem que ter o apoio da sociedade que vê o policial como infrator e apoiam o uso e vendas de entorpecentes .. sociedade abre os olhos!!!!

  4. Você não bate no seu filho por que não tem autoridade em casa,seu filho vai apanhar muito e vai ser educado na base da pancada.

  5. Geração lixo puro, sem pais sem mãe é uma vergonha,usam drogas 3 bebem em qualquer lugar e acham que é bonito é o fim mesmo!!!

  6. Porque não fazem role zinco onde moram? Onde provavelmente curtem funk. Em vez de fazer merda nas áreas comuns, atrapalhando a cidadania. Como querem setem aceitos como esses lixos de funks, comportamentos, drogas e podridão. Vão para o inferno seus espíritosites imundos kkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *