Bastidores em Pauta

Dizem que recordar é viver! No mundo da política, no entanto, parece que nem todos gostam de recordações. Mas nós gostamos e muito e vamos revirar e abrir nossos arquivos e baús para vocês.

A partir desta semana, a coluna Bastidores Em Pauta trará um tópico específico, para relembrar santinhos ou outros materiais políticos de nossa cidade.

E começamos com um dos políticos que mais administrou a cidade: José de Lima. Ao todo, foram 14 anos como prefeito.

RECORDAR É VIVER 1

O santinho é da sua última eleição, em 2008. Na ocasião tinha como vice Nivaldo Grasson e utilizava o slogan “O bom prefeito vai voltar”. Não voltou e João Afonso Sólis (Jango) foi reeleito com 30.640 votos, enquanto José de Lima teve apenas 9.903 e ficou em quarto colocado.

Hoje, José de Lima e Jango curiosamente estão no mesmo partido, o PTB e tem se movimentado politicamente visando as eleições de 2020.

COLABORE VOCÊ TAMBÉM!

Se você tem um santinho antigo guardado aí na sua residência, colabore com esta coluna e envie uma foto para a gente no WhatsApp (11) 9.9783-2095. Juntos, vamos recordar a história política das eleições de nossa cidade!

Também vale foto de comício, showmício ou reuniões eleitorais.

A EMENDA SAIU PIOR QUE O SONETO

Já que o assunto é política, vamos falar do tema mais comentado da semana?

O aumento de 17% para os secretários municipais bombou nas redes sociais e pautou conversas nos quatro cantos da cidade.

Na página do Bragança Em Pauta no Facebook, até este sábado, nossa matéria tinha mais de 1.200 compartilhamentos, mais de 700 reações e 110.600 mil pessoas alcançadas.

Vamos ao fato: A Mesa Diretora da Câmara Municipal composta pelos vereadores Beth Chedid, Natanael Ananias e Sidiney Guedes pediu primeiro um aumento, com urgência, de 32% para os secretários.

Como o pedido de apreciação do aumento com urgência foi rejeitado, eles usaram na semana seguinte do artifício da criação de uma sessão extraordinária para votar o aumento ainda este ano.

Desta vez, tentaram “voltar atrás” e apresentaram uma emenda, reduzindo o pedido de aumento para 17%.

E não é que a emenda saiu pior que o soneto!

Eles bem que tentaram dizer que  os 17%  era o menor aumento dos últimos anos e que só refletia a reposição salarial, mas a população que não é tonta nem nada, estava ligada e percebeu que foi só uma estratégia usada para tirar o foco que a ideia inicial era conceder sim 32% de reajuste aos secretários a partir de 2021.

Desta vez, não colou tentar jogar o problema nas costas do Fernão e do Jango!  O momento que vive o país é delicado, o povo quer o fim dos privilégios e corte dos gastos públicos. O político que não aprender isto, rápido, vai dançar.

CHEFE DE GABINETE AFIRMA

Após a polêmica votação do “Aumentão”, o secretário Chefe de Gabinete do Governo Chedid, Galileu de Mattos, afirmou nas redes sociais: “Seja quem for o próximo prefeito, não achará profissional qualificado para exercer o cargo de secretário”.

BASTIDORES EM PAUTA PERGUNTA

Os atuais secretários de Jesus Chedid não são qualificados? São favores políticos?

Porque aceitaram ganhar os atuais 12 mil e os próximos não aceitariam 14 mil?

É preciso pensar mais na cidade e menos no bolso.

Tem ex-secretário, por exemplo, que mesmo depois de exonerado continua trabalhando dia e noite pela cultura da cidade e participa de inaugurações e eventos de forma espontânea.  Pelo menos, da Prefeitura não ganha nada…

ERRO DE ESTRATÉGIA?

O estrago na imagem dos vereadores da base do prefeito Jesus Chedid  por causa do aumento foi grande, principalmente para a presidente Beth Chedid.  Não era a hora de quem está na lista de pré-candidatos a prefeito propor um aumento destes.

Será que foi um erro de estratégia do grupo Chedid ou será que a ideia foi justamente queimar a vereadora já na largada da disputa para 2020, no famoso “fogo amigo”?

Quem viver verá….

Mas como recordar é viver, bom lembrar que no início de 2016, quando todos diziam que Renato Frangini seria o candidato do Grupo Chedid, Jesus concedeu uma entrevista exclusiva para o Bragança Em Pauta dizendo que o candidato era ele.

Frangini no dia seguinte deixou o DEM e o resto você já sabe: teve um votação pífia ao lado de Gustavo Sartori e viu Jesus Chedid ser eleito com uma votação esmagadora em cima dos seus adversários.

ELE VEM PARA REELEIÇÃO?

Em agosto, quando Jesus Chedid foi entrevistado no Em Pauta Entrevista disse que era cedo para falar em reeleição. Mas não não descartou em nenhum momento a possibilidade de ser candidato novamente.

Apesar da idade e dos problemas de saúde, diferente de muitos políticos da cidade, o prefeito não saiu do palanque desde 2016. E ele sabe que a eleição com ele é uma. Sem ele, tudo muda.

E é nisto, que os adversário apostam.

DE MÃOS DADAS 1

De olho também nas eleições de 2020 as articulações políticas continuam e até o primeiro trimestre do ano que vem ainda haverá muita água para rolar.

Por mais que não haja mais coligação para candidaturas de vereador, os partidos têm dados as mãos na tentativa de se fortalecer afinal o descrédito na classe política é grande.

O PV e o PODEMOS anunciaram que seguem juntos. O grupo tem hoje três vereadores: Quique Brown, Marcus Valle e Moufid Doher. Além disso, também estão de olho no vereador João Carlos Carvalho e cada partido tem outros nomes em seus quadros.

DE MÃOS DADAS 2

O PTB de José de Lima e agora também do Miguel Lopes e do Jango anunciou, por sua vez, que segue de mãos dadas com o PDT, que em Bragança Paulista tem como presidente Rafael Rangel.

Como bandeiras os partidos informam que trabalharão pela Educação e pela Industrialização.

Havia uma expectativa de que o partido se posicionasse mais para esquerda. Mas isto pelo visto são águas passadas.

PLANO DIRETOR

Com a história do aumentão para os secretários, a aprovação do Plano Diretor ficou até de lado. Durante praticamente um ano a cidade ficou travada no ramo da construção civil. E agora, como será?

Já tem gente, aliás, dizendo que vai judicializar a questão.

Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos.

CAFÉ QUENTE

Apesar dele praticamente não abrir a boca durante todas as sessões da Câmara Municipal o nosso café quente da semana vai para o vereador Dr. Cláudio pela coragem de ser do Grupo Chedid e no projeto do aumentão votar contra o seu grupo.

E mais,  o café é pelas sábias palavras que ele disse na Tribuna Livre.

Realmente o povo nas ruas vem passando perrengue com a crise que o país ainda vive. Muita gente sequer têm dinheiro para comprar remédio. Não dá para se admitir um aumento deste. Vergonha é a palavra que a população usou para definir o aumento e é o que sentimos também.

CAFÉ FRIO

Para a Mesa Diretora da Câmara Municipal por usar todas as artimanhas e estratégias para que o aumento fosse aprovado este ano.

Pela tentativa de enganar o povo, justificando que 17% era menor que os reajustes anteriores, quando primeiro tentaram um aumento de 32%. Isto é política com P minúsculo.

Ficou feio demais! Lamentamos.

Bem, por hoje é isto, mas semana que vem tem mais !

Deixe uma resposta