Na segunda-feira, dia 1 º de maio, a reportagem do Bragança Em Pauta, recebeu uma denúncia de que jovens têm ficado cerca de 4 a 5 dias, em uma cela de 2 metros x 2 metros no Plantão Central da Polícia Civil, enquanto aguardam uma vaga no Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente, mais conhecida como Fundação Casa.

Neste período, são os familiares que têm que levar alimentos para os jovens infratores.

Segundo a denúncia, no feriado do Dia do Trabalho, 7 jovens, que tiveram a apreensão decretada pela Justiça estavam na mesma cela, sendo alguns desde sexta-feira, dia 28, aguardando pela transferência.

Em contato com a Assessoria de Imprensa da Fundação Casa, o Em Pauta  foi informada os trâmites para disponibilização de vaga para adolescentes são seguidos dentro dos prazos estabelecidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e que não houve recusa de vaga no centro socioeducativo de Bragança Paulista.

“O centro tem capacidade para atender 64 jovens e, hoje está com 63” ressalta a nota.

A assessoria ainda informa que “a prioridade é disponibilizar vaga, no prazo de até 24h após a solicitação do Poder Judiciário, no centro socioeducativo mais próximo do local de origem do jovem, conforme prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Na impossibilidade, ele é encaminhado para atendimento na capital paulista. Ou seja, não fica sem vagas.

Além de jovens de Bragança Paulista, vale salientar que a Fundação Casa local recebe jovens de cidades da região de Campinas.

Depois que o Em Pauta entrou em contato com a unidade por causa da denúncia de lotação na terça-feira, dia 2, vale destacar que quatro dos 7 jovens que estavam na cela da delegacia desde sexta-feira foram levados para a unidade.  Outros 3, segundo o apurado, foram colocados em liberdade.