Skip to content

Dia de Santa Paulina é comemorado com missa na Catedral

Foto: Arquivo Santa Casa

Hoje, 9, é comemorado o Dia de Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus, que é considerada a primeira santa brasileira e morou e viveu parte de sua vida, em Bragança Paulista.

Apesar de ser considerada a primeira santa do Brasil, Amábile Lúcia Visintainer, a Santa Paulina, nasceu no ano de 1865 em Vigolo Vattaro, na Itália. Ela, no entanto, veio para o Brasil com apenas 10 anos de idade e por anos morou no Estado de Santa Catarina, no sul do país. É por isto que é considerada brasileira.

Depois de morar anos, em São Paulo, ainda como Madre Paulina, ela foi transferida para Bragança Paulista.

Na cidade, Paulina cuidava de doentes na Santa Casa de Bragança Paulista, onde morou e trabalhou  por cerca de 1 ano, entre 1909 a 1910. No local, há um quarto, com objetos dela. Ela também desenvolveu trabalhos sociais no Lar São Vicente de Paulo, o asilo do Jardim Público, entre 1910 e 1918.

Entre as frases de destaque de Santa Paulina, uma que é sempre lembrada pelo seus devotos está: “Nunca, jamais, desanimeis, embora venham ventos contrario”.

Madre Paulina foi beatificada pelo Papa João Paulo II  em 18 de outubro de 1991 ,quando ele esteve em Florianópolis. Foi, por fim, canonizada em 19 de maio de 2002 pelo mesmo Papa, recebendo oficialmente o nome de Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus.

Festa de Santa Paulina

Para celebrar o Dia de Santa Paulina, a Paróquia Nossa Senhora da Conceição realizou uma novena durante a semana. Hoje, 9, a partir das 16h, haverá uma missa aberta ao público na Igreja Catedral. Todos os anos é realizada em Bragança Paulista uma procissão que vai da Santa Casa até o asilo. E é no asilo, onde o bispo diocesano costuma celebrar uma missa.

Por causa da pandemia da COVID-19, no entanto, este ano, não haverá a procissão. Após a missa, que acontece na Catedral, está programada  uma carreata com a imagem de Santa Paulina,  que deve passar pelas ruas do centro e em frente as locais onde a santa viveu como Santa Casa e o asilo.

Vale lembrar, que na Igreja Catedral, por causa das regras sanitárias, haverá álcool gel na entrada e os bancos foram disponibilizados mais distantes um do outro. Além disso, apenas duas pessoas podem sentar em cada banco, garantindo assim o isolamento social.

Em vídeo publicado nas redes sociais o Padre Marcelo Falsarela ressaltou que conhecer Santa Paulina é experimentar com a igreja os cuidados e compaixão para com os que sofrem. Lembrou ainda que ela passava horas rezando na Igreja do Rosário e que os registros mostram que ela sempre foi muito carinhoso com todos tanto no asilo como na  Santa Casa. “Aprendamos com ela o dom da compaixão, o dom da caridade e os serviços aos mais pobres”, pediu o Padre Marcelo.

Para ficar sempre por dentro de eventos que acontecem on-line, ou então em Bragança Paulista, Atibaia e região acesse:

Quer receber notícias de Bragança Paulista e região no celular?  É só clicar aqui:
WhatsApp do Bragança Em Pauta

 

Deixe uma resposta

© 2015-2020 Jornal Bragança Em Pauta - Todos direitos reservados