Manifestações caminhoneiros Dutra

Estava prevista para esta segunda-feira, 10, mais uma paralisação de caminhoneiros, como a registrada no mês de maio, que afetou todo o país. Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) entretanto, até a manhã de hoje, 10, a  Rodovia Dutra foi a única rodovia federal, em São Paulo, onde foram registradas manifestações.

Na sexta-feira, 7, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros chegou a publicar uma nota, dizendo que a entidade era contra a greve, mas não ia se opor a mesma. A nota diz: “Apesar de sermos contrários a uma nova paralisação geral, não podemos nos opor à decisão dos caminhoneiros os quais representamos. A situação está insustentável e não sabemos até quando será possível conter a categoria e evitar uma nova paralisação”, disseram.

Conforme informações da PRF, equipes extra foram mantidas em prontidão nas rodovias federais paulistas. Só na Dutra houve movimentação de manifestações de caminhoneiros.

Manifestações na Dutra

Os pontos de manifestação e alguns bloqueios foram registrados nos Km 92, 159 e 162 da Dutra.

A PRF informou à reportagem do Bragança Em Pauta que os manifestantes não estavam obrigando os demais motoristas de caminhão a parar. Só estava parando quem queria.

Tudo começou por volta de 0h40 quando a PRf recebeu a informação que estava fechada a pista no Km 92.  A PRF atuou e liberou a pista as 01h28, em ambos os sentidos.

Na sequência, por volta de 2h15, um caminhão foi apedrejado no Km 162 da Rodovia Dutra. O apedrejamento foi realizado por cerca de 10 manifestantes. Por sorte, o motorista não se feriu.  Aliás, conforme a PRF, por volta das 4h houve desmobilização dos manifestantes nesta região. Muitos caminhoneiros ali parados saíram com escolta da PRF.

No início da manhã segundo a PRF, no Km 92, não havia veículos parados no acostamento ou pista. Estavam todos dentro do posto ou na via lateral (cerca de 100 veículos). Por volta das 05h45 os veículos começaram sair do local.