Escolas de Bragança registram ameaças após massacre de Suzano

Pelo menos duas ameaças foram registradas em escolas de Bragança Paulista durante a semana, após o massacre de Suzano. O massacre na escola Estadual Raul Brasil aconteceu na quarta-feira, 13 e chocou o país todo.

Enquanto o mundo tenta entender os motivos que levaram Guilheme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos cometer o bárbaro crime e o que a sociedade pode fazer para evitar novos casos, alguns jovens, parecem se espelhar na ação deles.

Esta inclusive é uma preocupação no ambiente escolar em todo o país. E a pergunta que a sociedade faz é: o que podemos fazer para evitar outras tragédias como esta?

O saldo do massacre de Suzano foram 10 mortos e 11 feridos. Enquanto muitos ficaram chocados, no dia seguinte, ou seja na quinta-feira,14, tinha jovens, se “divertindo” com o assunto. A curiosidade pelos vídeos e fotos se espalhou por todo país. O espetáculo que virou a cobertura da tragédia, aliás, também é algo que preocupa especialistas no assunto.

Até onde isto pode influenciar outros ataques?

Ameaças em Bragança

Em Bragança Paulista, uma professora de uma escola estadual  ao entrar na sala de aula no dia seguinte da tragédia, percebeu que alunos estavam vendo o vídeo do massacre.

Ela então proibiu que os alunos vissem o vídeo ali. Um dos alunos, respondeu então que iria continuar assistindo o vídeo sim. Em seguida, ainda ameaçou que faria o mesmo que ocorreu em Suzano e que a professora seria a primeira vítima.

A direção da escola foi avisada sobre o assunto e um boletim de ocorrência foi registrado. Por se tratar de menor de idade, o Conselho Tutelar também foi avisado.

O caso está sendo acompanhado.

Além desta ameaça, um jovem de 17 anos, de outra escola estadual de Bragança Paulista, foi além. Ele publicou no WhatsApp uma foto com uma máscara, dizendo que os colegas seriam os próximos e que um dia ele faria um massacre.  O jovem, também por WhatsApp demonstrou indiferença às vítimas mortas em Suzano.

Alunos da escola procuraram a diretoria, com medo.  Conforme o apurado pelo Bragança Em Pauta, o jovem chegou a ser ouvido e disse que estava sendo sarcástico. O Conselho Tutelar já está acompanhando o caso.

Os casos das duas ameças na cidade já estão sendo acompanhados pela Diretoria Regional de Ensino e também por autoridades. policiais.

Ameaça e ações

Casos semelhantes  aconteceram também em outros locais, país a fora. No Rio de Janeiro, por exemplo, um homem invadiu uma escola na Baixada Fluminense. Ele ameaçou alunos com uma marreta nas mãos.  Em Teixeira de Freitas, no extremo sul da Bahia, um jovem de 18 anos, foi detido, após fazer ameças de um ataque à uma escola. Ele fez as ameças também pela internet.

Após o massacre de Suzano, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informou que os procedimentos de segurança em todas as 5,3 mil escolas serão revisados. Já está inclusive em estudo um projeto para reforço à segurança nas escolas mais vulneráveis. Outros estados, como o Paraná, por exemplo, também anunciaram que irão reforçar medidas de segurança nas escolas.

 

 

 

2 Comentários



Deixe uma resposta