O garçom Rosinei Gomes Cerqueira, de 52 anos, morreu atropelado na madrugada deste sábado, dia 21, na Variante Farmacêutico Francisco de Toledo Leme (Variante do Tabõao). Segundo o apurado pelo jornal Bragança Em Pauta, ele ainda foi socorrido com vida pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital Universitário, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu.

O caso aconteceu na altura do km 3 por volta das 0h45 e a Polícia Civil, irá investigar se o veículo envolvido no acidente, estava ou não praticando um racha no local.

O motorista, um comerciante, de 29 anos de idade, residente em São Paulo, nega a acusação. Ele relatou, que conduzia o seu Audi, de placas de São Paulo, quando um veículo a sua frente teria freado e aconteceu o atropelamento.

Testemunhas foram ouvidas no Plantão Central e um inquérito policial deve ser instaurado no 1º DP, a fim de apurar se o jovem estava ou não praticando racha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Segundo o registrado, policiais rodoviários estaduais que atenderam a ocorrência não fizeram exame do etilômetro no comerciante porque não possuíam equipamento no momento, relatando, entretanto à autoridade de plantão que o mesmo não apresentava sinais de embriaguez.

Este é o segundo acidente grave, registrado na Variante do Taboão, desde que o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), cancelou os termos de posse e de uso do município em novembro de 2016 e os radares móveis existentes no acesso ao Jardim do Lago foram desligados em fevereiro deste ano. Em agosto deste ano um acidente gravíssimo foi registrado na mesma via e também suspeitou-se de racha na oportunidade. Relembre. https://bragancaempauta.com.br/grave-acidente/. 

Quando os radares foram implantados na Variante do Taboão, tinham justamente como objetivo controlar a velocidade dos veículos, por causa de riscos de acidentes e evitar os rachas, que na época eram constantes na via, que já foi palco de acidentes fatais em anos anteriores.