O Tribunal do Júri condenou a 22 anos e 4 meses de prisão, Renan Guilhobel Mota Gonçalvez.  O julgamento aconteceu no Fórum de Bragança Paulista.  Durante o julgamento ele confessou  que matou a mulher Fernanda Sanches Correia, de apenas 18 anos, em julho de 2010.

O julgamento teve início por volta das 10h45 e se estendeu até por volta das 19h15.

O crime aconteceu no Jardim da Fraternidade, em Bragança Paulista e chocou a cidade. A  jovem foi assassinada com 14 facadas dentro da própria casa. O casal tinha, na época, um filho de apenas 2 anos de idade.

Nestes 9 anos tudo que a família da moça queria era justiça. O julgamento chegou a ser marcado diversas vezes, duas delas em junho de 2018. Mas foram diversos adiamentos. Segundo o pai da vítima, Celso Roberto Mendes Correia só em junho do passado, por exemplo, foram dois adiamentos. Um por causa da greve dos caminhoneiros e outra porque uma testemunha não compareceu.

O acusado do crime já estava preso em Franco da Rocha, condenado por tráfico de drogas.

O crime

Fernanda Sanches Correia foi brutalmente assassinada no dia 22 de julho de 2010.  O pai chegou à sentir um mau pressentimento. Ele disse para a mãe da garota, que se pudesse não ia trabalhar naquela data para ficar em sua casa.

Dias antes a filha descobriu que o rapaz estava mantendo conversas por computador com outras mulheres e decidiu se separar. O jovem, não aceitou a separação e planejou o crime.

Um dia antes ele pegou as roupas e saiu de casa.  Renan tirou uma cópia da chave, e como sabia a hora que Fernanda ficava sozinha na casa se aproveitou disso, entrou no local e a matou brutalmente.

O pai desconfiou que algo tinha acontecido porque a menina pegava carona com uma tia para ir para o trabalho. No entanto, no horário combinado ela não apareceu. Ele ainda tentou ligar no celular dela e na residência, mas ninguém atendeu.

Diante disto, o pai correu para casa desesperado, mas já era tarde. Fernanda estava morta.

Após matar a jovem, Renan fugiu com o celular da menina. Ele ainda ficou escondido por um tempo, mas depois se entregou à polícia e confessou o crime.

Para a família, além da condenação trazer o sentimento de Justiça, mesmo que depois de quase 9 anos, traz um sentimento de que, enfim, a jovem assassinada poderá descansar em paz.

Em Pauta Entrevista

Valquíria Sanches, mãe da jovem assassinada, concedeu com exclusividade um depoimento à reportagem do Bragança Em Pauta no final do julgamento, na porta do fórum. Ela disse, que depois de anos do crime, a condenação é o melhor presente de dia das mães que ela podia receber.

O depoimento dela vai ao ar no programa Em Pauta Entrevista desta sexta-feira, 10, a partir das 19h no nosso site, facebook e canal do Youtube. O programa tem como tema justamente a dor de mães, que perderam seus filhos, seja de forma brutal ou não. Na oportunidade a jornalista Ana Oliveira irá entrevistar também Laura Lorentino, mãe da transexual Camila, que foi assassinada em 2014. No caso de Camila, até agora, nenhum suspeito foi preso.

O programa contará ainda com a presença de representantes do Grupo de Apoio às Mães Saudosas, um grupo de mães que perderam seus filhos e se uniu justamente para trocar experiência e tentar amenizar a dor, através desta rede de apoio.

Anote na agenda! O Em Pauta Entrevista vai ao ar a partir das 19h aqui no nosso site ou nos seguintes canais:

Deixe uma resposta