A Justiça decretou a prisão temporária, de Antonio Manoel de Almeida, de 70 anos. Ele é o principal suspeito do assassinato de Odete de Almeida, que chocou Bragança Paulista no sábado, dia 23.

O corpo de Odete Almeida foi encontrado enrolado em saco plástico na Rua Viscondessa da Cunha Bueno, no centro. Ela estava enrolada em alguns tecidos e plásticos, sendo o embrulho amarrado com tiras de calça jeans.

O prinimagecipal suspeito do crime é irmão da vítima. Apesar de negar o fato e se comprometer em colaborar com as investigações, a Polícia Civil acredita que Antonio de Almeida cometeu o crime por causa de herança. Ele e Odete Almeida não se falavam desde dezembro, por causa de uma propriedade familiar.

Segundo informações da Polícia Civil, assim que o corpo foi encontrado no sábado,  dois familiares da vítima chegaram ao Plantão Central para registrar o desparecimento de Odete. Eles informaram que não conseguiam contato com ela desde quarta-feira, dia 20, e que na sexta-feira, 22, tinham ido até sua casa.

Como ela não os atendeu pai e filho informaram à Polícia Civil que entraram na casa após arrombar a porta, pelo quintal do vizinho. Informaram que o imóvel estava sujo e desarrumado e que o banheiro estava molhado, com vestígios de xampu, condicionador espalhados pelos vaso sanitário e também pelo quarto.

Disseram ainda que havia muito hidratante ou creme dental espalhados pela televisão e pelo chão e que estranharam o fato, porque a idosa era muito limpa e organizada.

Os dois disseram ainda que deixaram um bilhete no portão, pedindo para que Odete Almeida desse notícias e não se assustasse com o arrombamento que fizeram.

Diante dos fatos, o delegado de plantão, determinou que fosse realizada uma busca imediatamente na residência da idosa, situada nas proximidades de onde o corpo foi localizado. E com a presença dos familiares,  constataram que tudo tinha sido limpo, principalmente o banheiro.

Peritos da Polícia Científica encontraram vestígios de sangue no interior do imóvel e em uma escada que dá acesso à Rua Viscondessa da Cunha Bueno.

Com a informação de que Odete Almeida, tinha uma desavença com o irmão Antonio Almeida, as autoridades policiais  foram atrás do suspeito que se apresentou espontaneamente na delegacia, negou o crime e afirmou que ia cooperar com as investigações.

A Polícia Civil realizou buscas na residência do suspeito e encontrou no local um pedaço de cobertor com a mesma estampa do cobertor em que Odete estava enrolada. Ele teve então sua prisão decretada pela Justiça e está preso.