Mais uma mulher foi assinada em Bragança Paulista. O caso foi registrado no Plantão Central da Polícia Civil como feminicídio, ou seja, o crime aconteceu porque a vítima era uma mulher.

A jovem Ana Caroline de Moura Martins  de 22 anos, foi assassinada no bairro Araras dos Pereiras, zona rural do município na noite desta segunda-feira, dia 15.  A polícia está investigando o caso e trabalha com a hipótese de crime passional.

De acordo com o registrado, amigos de trabalho de Ana Caroline estranharam que a jovem trabalhou normalmente pela manhã, como balconista no mercado Salim Ferreira mas que não voltou depois do almoço.

Um de seus colegas de trabalho foi então atrás dela, na chácara onde morava.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Foi então que encontrou a moça, caída na grama, já sem vida, com diversas perfurações no tórax, pescoço e coxa direita.

O corpo, segundo o relatado à policia pelo rapaz, estava coberto com um edredon.

A Polícia Militar foi acionada. Também estiveram no local a Polícia Civil e peritos da Polícia Científica.

Segundo o registrado a casa estava trancada e havia marcas de sangue na varanda.

A Polícia Civil encontrou uma faca no tanquinho de lavar roupas, que foi apreendida e encaminhada para perícia.

A mãe da vítima relatou às autoridades policiais que Ana Caroline era casada há 5 anos, mas que no último final de semana, seu marido saiu de casa, levando com ele o carro que esta em nome da vítima.

Relatou ainda que os dois vinham se desentendendo e que ele teria inclusive tentado atropelar a jovem no Natal e que na época, ele teria dito que ia matá-la e se matar na sequencia.

Até as 0h desta terça-feira, dia 16, nem o suspeito nem o veículo tinham sido localizados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assassinatos em 2018

O assassinato da jovem Ana Caroline aconteceu dois dias depois que Camila Aparecida Romão, que foi assassinada em um bar na madrugada de sábado, dia 13.

De acordo com o registrado no Plantão Central da Polícia Civil o crime aconteceu por volta das 3h35 na Rua João Franco.  Camila, de 36 anos, estava em um bar, já fechado, quando um homem encapuzado entrou e efetuou vários disparos contra ela. Um dos disparos atingiu o pescoço de Camila e ela morreu na hora.

Diferentemente de fake news (noticias falsas) que foram espalhadas pela cidade na tarde de segunda-feira, dia 15, a Polícia Civil, não deteve o suspeito de assassinar Camila Romão.

Em contato com o delegado José Glauco Silveira Lobo Ferreira, titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), ele informou que a Polícia Civil está trabalhando no caso e não há qualquer suspeito preso. “Qualquer informação diferente disto é muito prematura”, ressaltou.

O delegado afirmou que ocorreu no final de semana foi que a Polícia Militar deteve por tráfico, um homem acusado de matar um juiz do trabalho em 2015.

O assassinato de Camila Mourão assim como o de Ana Caroline continua em investigação.

Estatísticas

O ano de 2018  mal começou e Bragança Paulista já registra dois homicídios. Em janeiro de 2017, o município não registrou sequer um homicídio, o que indica um aumento de 200% nos casos.

Ao todo o ano inteiro em 2017,  foram  registrados 9 homicídios.

Destes 9 homicídios, um aconteceu em abril, na saída de uma festa, em um bar na Avenida Alziro de Oliveira.   e teve como vítima o jovem  jovem  Guilherme Henrique Oliveira Silva, de 21 anos.

A reportagem do jornal on line Bragança Em Pauta, conversou também com o delegado Dr. Glauco sobre o caso, já que era aguardada o resultado dos exames em uma arma, apreendida pela Polícia Militar com um suspeito de cometer o crime.

O delegado informou que o resultado deu negativo ou seja, que a arma apreendida com o rapaz, mais conhecido como Japonês não foi a arma utilizada para matar o garoto. O crime continua em investigação.

A reportagem do Bragança Em Pauta, tem recebido reclamações de moradores da região da Alziro de Oliveira, que por um tempo estas festas pararam, mas que por falta de ação das forças de segurança e fiscalização da Prefeitura, teriam retornado no final de 2017.

Reclamações são constantes também quando o assunto é falta de fiscalização de bares em bairros como  Lavapés, Cruzeiro, São Miguel, entre outros. No Lavapés, segundo as denúncias, os bares funcionam com as portas meio fechadas, para despistar, que estariam encerrando as atividades dentro do horário permitido no alvará.

Deixe uma resposta