A Secretaria de Segurança Púbica do Estado de São Paulo afastou dos cargos os policiais militares de Atibaia, que estavam na ocorrência onde um petista teve o braço quebrado. O caso aconteceu na cidade de Atibaia, cujo policiamento é subordinado ao 34º Batalhão da Polícia Militar do Interior, que tem sede em Bragança Paulista no domingo, 3.

Um primeiro vídeo foi divulgado nas redes sociais na tarde desta segunda-feira, 4. Ele mostra o momento que o advogado Geovani Leonardo Doratiotto da Silva, de 29 anos, presidente do PT de Atibaia, foi algemado por policiais. Durante a ação, um PM quebrou o braço de Geovani, dentro da delegacia.

Confira:

 

Ainda na noite de segunda, 4, outras imagens começaram a circular pelas redes sociais.

Em um segundo vídeo que o Bragança Em Pauta teve acesso o petista bate boca com uma policial civil. Ele diz que vai na corregedoria e vai arrancar a arma da policial.

Ela por sua vez, fala para a namorada de Geovani que peça para ele parar de ameaçá-la.

 

 

A ocorrência

Geovani foi parar na delegacia após uma confusão no Carnaval de Bonecões de Atibaia, na Praça da Matriz.  De acordo com o registrado no Plantão de Atibaia, policiais militares estavam em patrulhamento quando foram acionados à comparecer na Santa Casa.

Lá, os militares conversaram com algumas pessoas que teriam relatado à eles que tinham sido agredidas por um homem que usava uma camiseta escrito “Lula Livre”.  Enquanto os policiais colhiam os depoimentos, Geovani chegou ao local. Foi então que as testemunhas o apontaram como autor do início da briga na praça.

Uma nova confusão se instalou na Santa Casa e a PM teve que intervir. O acusado foi então levado para o saguão do hospital.

Segundo o registrado pelos PMs o advogado passou a insultá-los e ameaçá-los. Além das ameaças aos policiais ele ameaçou também os familiares dos mesmos.  Giovani ainda tentou resistir, mas foi algemado e levado para delegacia.

Já na delegacia, as algemas foram retiradas.

De acordo com o registrado, o rapaz continuava alterado. Foi então que uma escrivã passou a filmar a situação pois ele teria ameaçado ela e seus familiares.

O clima estava tenso e os PMs o imobilizaram novamente. Foi neste momento que um dos PMs quebrou o braço de Giovani.

Ele foi então conduzido à Santa Casa de Atibaia onde recebeu os atendimentos. Giovani teve alta médica logo na sequência e foi liberado após pagamento de fiança de R$ 1 mil. Ele foi autuado por ameaça, resistência e desacato.

A Secretaria de Segurança Pública afastou os policiais que imobilizaram o advogado dentro da delegacia e o caso deverá ser investigado.

Nota do PT

O PT se manifestou sobre o assunto através de uma nota oficial e repudiou qualquer forma de violência policial “entendendo ser um direito básico do cidadão o tratamento com respeito e dignidade, sem que seus corpos e suas vidas sejam postos em risco pelo próprio Estado”.

Ainda em nota, o PT justificou que “as forças de segurança possuem como função servir e proteger, não agredir injustificadamente”

Além disso, o Partido dos Trabalhadores informou que “por meio de sua assessoria jurídica já encaminhou pedido formal de providências ao Governador João Dória, e noticiou o crime de lesão corporal grave ao Ministério Público do Estado de São Paulo para que tomem as devidas providências contra os agressores”.

O partido também informou que cientificou o Ministério Público Federal sobre o caso.