Quando falamos em dentista, muita gente já fica com medo, principalmente as pessoas de mais idade ou as que passaram por alguma sensação traumática em seu tratamento odontológico. Isto porque, há alguns anos ir ao dentista significava que a pessoa já tinha perdido um dente, ou estava com muita dor, e procurava um dentista apenas para realizar tratamentos de urgência.

Muitos cresceram ouvindo horrores sobre ir ao dentista e dores de dente e este medo é até natural. Mas o mundo evoluiu, os tratamentos hoje em dia, são inúmeros, modernos e eficazes.

Pensando nisto, a reportagem do Bragança Em Pauta, dará início a partir de hoje a uma série de entrevistas com profissionais da área a fim de esclarecer as dúvidas dos nossos leitores.

E como começamos esta matéria falando daqueles que tem mais idade, o tema da edição de hoje será Odontogeriatria.

Para tratar do assunto, a reportagem do Bragança Em Pauta, foi até o Centro Odontológico Martins, que reúne profissionais especializados de diversas áreas da odontologia  e bateu um papo com a dentista Mariana Martins Ramos Leme, que é especialista em periodontia.

 “O envelhecimento pode ser entendido como a consequência da passagem do tempo ou como um processo cronológico, fisiológico e funcional do organismo pelo qual o indivíduo torna-se mais velho”, disse ela.

É importante não só que o paciente, mas que também os profissionais entendam este processo. “O aumento na expectativa de vida da população fez com que a Odontologia se especializasse cada vez mais no atendimento dos pacientes com mais de 65 anos”, afirma.

“Antigamente a população raramente recebia orientações quanto às técnicas de escovação e higienização bucal. As pessoas não sabiam como manter os tratamentos realizados e não agendavam retorno a cada seis meses. As consultas aconteciam quando estavam com alguma dor de dente ou uma lesão bucal”, ressalta a profissional.

E ainda acrescenta que para boa parte dos pacientes mais idosos era normal falar “na minha época não tinha este tipo de tratamento” ou então “eu perdi o dente porque todos da minha família perderam, é normal”.

Hoje a história mudou. A perda gradativa dos dentes não é algo que deve ser encarado como normal.

Cuidar da saúde, ter qualidade de vida, envelhecer de forma saudável, requer também ir ao dentista periodicamente e cuidar da saúde bucal.

É por isto que entre tantas especialidades, nasceu a Odontogeriatria. “Nos dias de hoje temos a informação chegando a todos os indivíduos de forma rápida e didática, por diversos meios de comunicação, nas escolas, nos atendimentos contínuos”, acrescenta.

Para a nossa entrevistada prevenção é a palavra chave!

FOTO COM - DRA. MARIANA“Prevenir é o lema do momento. É é por causa justamente da prevenção, que começam a chegar nos consultórios pacientes com mais de 65 anos para fazer tratamentos como restauração e raspagem. Isto cada dia ficará mais comum”, disse.

A Dra. Mariana ressaltou  “O conhecimento  das alterações fisiológicas relacionadas ao envelhecimento é de extrema importância na Odontologia para planejamento e tratamento das doenças bucais. Estamos preparados para atender os pacientes da melhor idade. Muitos apresentam, nesta idade, uma ou mais doenças sistêmicas associadas e isso faz com que seu atendimento seja realizado com muita cautela e o atendimento multi-especializado é o mais indicado”.

Tem alguém em casa na melhor idade precisando de tratamento dentário? Ficou com alguma dúvida? Conheça mais sobre o Centro Odontológico Martins no site ou no facebook:

http://www.centroodontologicomartins.com.br/

https://www.facebook.com/Centroodontologicomartins/?fref=ts.

Quer sugerir alguma matéria especial relacionada a Odontologia, Melhor Idade, ou temas relacionados ao bem estar e saúde? Mande suas sugestões para redacacao@bragancaempauta.com.br