A pergunta que uma grávida mais ouve é: “De quantos meses você está?”
E nem sempre a resposta vem em meses. É muito comum, que as mamães façam a contagem em semanas, assim como os médicos.
E por falar em semanas, todo obstetra e gestante sabem que o ideal é que o parto ocorra após a 37ª semana de gravidez.
É neste período que o bebê está com todos os órgãos formados e pronto para chegar ao mundo, entretanto, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 10% dos bebês não conseguem esperar a hora certa e nascem prematuramente.
Como prevenir a chegada da cegonha antes da hora?
O ginecologista e obstetra Élvio Floresti Junior  explica que a causas da gravidez prematura são diversas, por isso é de grande importância iniciar um acompanhamento de pré-natal logo no primeiro mês.

“Só assim é possível identificar se há fatores de risco e também prevenir qualquer problema”,explica.

O histórico de parto prematuro, a idade da gestante, problemas com o controle da pressão arterial, eclampsia e malformação do feto, são alguns dos fatores que também interferem e facilitam a antecipação do parto.

“Toda grávida deve se preocupar com o desenvolvimento do seu bebê e pode adotar hábitos que ajudam na prevenção de um parto prematuro”, afirma o especialista.

Uma alimentação rica em frutas e fibras é um dos passos principais para manter uma gestação saudável. Durante a gravidez é importante substituir carnes gordas por opções mais magras que possuem baixo índice de colesterol.

“Bebida e álcool devem ser abolidos ao longo dos 9 meses. Ambos possuem efeitos nocivos que podem prejudicar o bebê durante a gestação e após seu nascimento. Isso porque a substância ingerida pela mãe, chega até o feto na mesma proporção e é absorvida pelo sangue”, alerta doutor Élvio.

A prática de exercícios físicos regularmente com o auxílio e permissão de um profissional também é uma iniciativa que beneficia mãe e bebê. A atividade física auxilia no trabalho de parto e também ajuda a mãe a retomar à forma física mais rápido.

O consumo de vitamina B12 e ácido fólico também são aliados importantes. Apesar de estar presente naturalmente em alimentos, a quantidade natural que ingerimos é baixa.

“Essas vitaminas são fundamentais no processo de desenvolvimento do tubo neural do bebê, prevenindo deficiências cerebrais e auxiliando na formação da medula”, enfatiza o obstetra.

A hidratação adequada também é fator relevante, já que a falta de água pode ocasionar contrações uterinas e acabar acelerando a chegada do parto.

Outro ponto importante para a prevenção de parto prematuro é a gestante estar em dia com as vacinações.

“Consulte seu médico assim que souber da gestação e o avise sobre qualquer alteração atípica”, finaliza.