William Gebrael Junior, de 43 anos,  preso durante a Operação Vista Grossa, no Jardim Europa, em Bragança Paulista, na manhã  quinta-feira, 8,  era segundo informações da Polícia Federal “responsável por fazer os pagamentos aos auditores fiscais presos”, ou seja, efetuar o pagamento da propina.

Segundo dados da Polícia Federal, pelo menos três servidores da Receita Federal lotados no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, recebiam  mil dólares por cada mala e 400 doláres por cada mochila que deixavam entrar no solo brasileiro sem o devido pagamento dos tributos incidentes.

A Polícia Federal informou à reportagem do jornal on line Bragança Em Pauta que Gebrael, como é conhecido na cidade, “era também responsável pelo recrutamento das “mulas”, que faziam o transporte das mercadorias importadas, como por exemplo, celulares.

As compras eram feitas principalmente em Miami nos Estados Unidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Durante o período de um ano de investigação foram identificadas pela polícia cerca de 10 viagens feitas pelas “mulas”.

Além de Gebrael, três servidores da Receita Federal foram presos durante a operação.

A investigação começou após a prisão de um jovem que fazia o serviço de mula, com 15 kg de cabelo humano e mais de 200 aparelhos celulares.

A Operação Vista Grossa foi realizada simultaneamente no Rio, nos bairros de Copacabana, São Conrado, Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes; em Cabo Frio/RJ e aqui em Bragança Paulista.

Gebrael está preso temporariamente, por 5 dias, e durante a ação em sua residência, a polícia apreendeu celular e documentos.

Segundo a Polícia Federal, Gebrael “detinha grande parte do investimento realizado para a compra dos celulares nos EUA, sendo, portanto, um dos principais integrantes da organização criminosa.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *