PF realiza buscas em residência e escritório em Bragança Paulista

Foto: Filipe Granado

A Polícia Federal (PF) realizou na manhã de hoje, 17, mais uma operação em Bragança Paulista. A operação Lamanai tinha como objetivo desarticular organização criminosa sediada em São Leopoldo que atua no mercado financeiro paralelo sem autorização. A PF realizou buscas em residência e escritório na cidade.

O grupo é acusado de fazer a captação ilegal de recursos de cerca de um milhão de clientes. A operação contou com o apoio da Receita Federal e as captações chegaram a R$ 40 milhões por dia.

Os valores dos investidores eram aplicados no mercado de Foreign Exchange (FOREX), compra e venda de moedas.

A operação

Cerca de 200 policiais federais cumpriram 65 mandados de busca e apreensão e dez de prisão. Além de Bragança Paulista as operações aconteceram nas cidades de Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo, Caxias do Sul (RS), Curitiba (PR), Palmas (TO) e Brasília (DF).

Em Bragança Paulista, a operação aconteceu no condomínio Portal de Bragança, no Santa Helena e também em um escritório na Rua Teixeira. Diversos documentos e veículos foram aprendidos.

De acordo com a PF foram executadas medidas judiciais cautelares para apreensão de veículos, sequestro de bens e bloqueio de valores em contas correntes.

O inquérito policial foi instaurado em janeiro deste ano e apurou que os clientes do grupo eram atraídos pela promessa de retorno na ordem de 100%, em seis meses.

A captação de recursos estava estruturada em formato conhecido como de “pirâmide financeira”. Ou seja, os novos investidores subsidiavam os pagamentos de remuneração dos investidores mais antigos.

Em nota, a PF informou que a organização já havia sido notificada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para que parasse com tais práticas.

Ao longo da investigação a PF apurou evidências de outras práticas criminosas como a aquisição de moedas virtuais para remeter ao exterior, em supostos atos de evasão de divisas, assim como crimes de lavagem de dinheiro.

Deixe uma resposta