A pílula anticoncepcional, que já foi ícone de libertação dos anos 60, hoje é motivo de preocupação e muito se discute sobre segurança quando ela é usada frequentemente.

Não importa, se a pílula é de uso oral, anel vaginal, injeções ou adesivos, há ainda no mundo moderno, muitas dúvidas e mitos sobre o tema.

Todos os métodos servem como solução para evitar a gravidez indesejada, e outros benefícios podem ser associados a seu uso, como controle de algumas doenças, desde que sigam orientação profissional adequada.

De acordo com dados divulgados pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) cerca de 100 milhões de mulheres usam pílulas anticoncepcionais em todo o mundo. Mas mesmo tão popular, a pílula traz dúvidas sobre seus efeitos colaterais.

Sabendo disso, a reportagem do Bragança em Pauta, separou dicas Dra. Flávia Fairbanks, ginecologista do Hospital das Clínicas da USP e da Clínica FemCare, que esclarece os mitos e verdades sobre o assunto.

Pílula anticoncepcional engorda?

MITO – A Pílula diretamente não engorda, mas pode aumentar a vontade por carboidratos e reter líquido, porém existem pílulas com progesteronas específicas, que diminuem a retenção hídrica.

Pílula anticoncepcional dá celulite?

VERDADE – Segundo a especialista, a pílula pode causar retenção de liquido, e em mulheres com tendência a ter celulite (geralmente associada à sensibilidade aos estrogênios), com má alimentação e sedentárias, essa tendência pode ser potencializada.

Pílula anticoncepcional aumenta os seios?

MITO-Como já falamos anteriormente, o que pode acontecer é uma retenção de liquido, que leva ao inchaço nas mamas.

Pílula anticoncepcional melhora a pele?

VERDADE-Segundo a especialista, os hormônios das pílulas ajudam a reduzir a oleosidade da pele, a acne e até a grande quantidade de pêlos, devido ao controle dos níveis de androgênios ( hormônios masculinos).

Pílula anticoncepcional dá trombose?

VERDADE – Isso depende do anticoncepcional e da genética da mulher. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mulheres que usam anticoncepcionais contendo drospirenona, gestodeno ou desogestrel (encontradas em algumas pílulas) têm um risco de 4 a 6 vezes maior de desenvolver tromboembolismo venoso, em um ano, do que as mulheres que não usam contraceptivos hormonais combinados.

Pílula anticoncepcional: antibiótico corta o efeito?

VERDADE – A interação da pílula anticoncepcional com o antibiótico pode cortar ou reduzir o efeito da pílula. Isso acontece porque o antibiótico compete com a pílula no metabolismo do fígado, saindo ambos prejudicados. Se o organismo precisa priorizar um dos dois medicamentos, é natural que dê mais importância ao antibiótico.

Pílula anticoncepcional: Existe uma idade certa para o início?

FALSO – Não existe uma idade ideal para começar a usar a pílula. A partir de alguns ciclos após a menarca, já se pode fazer o uso, desde que haja clara indicação para tal. Os cuidados no início envolvem tentar empregar uma dosagem de hormônio mais baixa, verificar possíveis contra-indicações e avaliar a real necessidade do contraceptivo e da frequência de relações sexuais.

Pílula anticoncepcional pode deixar a mulher infértil?

MITO – O anticoncepcional não interfere na fertilidade, já que quando a mulher para de utilizar a pílula ela pode engravidar normalmente, a menos que já tenha algum problema de fertilidade.