Apesar de todos os apelos e alertas feitos pelas autoridades federais, estaduais e municipais com relação aos riscos de doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti, ainda é possível flagrar pela cidade tanto em áreas particulares como públicas, cenários de alto risco de proliferação do mosquito.

4c0fada9-702f-45b8-822e-687dd27e5c46 faa5732a-833f-48e8-b9ca-3ebd6e9df5c8 dcca4cd2-c52e-46b9-b674-e8e10b2464ac ae1fb3a1-ff69-4e77-b3c0-70d545ebe667

As fotos de leitores do Bragança Em Pauta, foram tiradas na manhã desta quarta-feira, dia 17, nas proximidades do Aterro Sanitário, no Jardim São Miguel.

Sacos de lixo, galhos, pedras, pneus , restos de madeira, garrafas de vidro e pet se acumulam na beira da estrada de terra e são prato cheio para a proliferação do mosquito que tem assustado principalmente as mulheres grávidas, que além da dengue, temem os danos causados pelo zika virus e chikungunya.

As futuras mamães estão assustadas com os casos que não param de aumentar em todo país de microcefalia, doença caracterizada pela cabeça e cérebro da criança menor que o normal.

Os moradores da região reclamam que o acúmulo de sujeira no local é constante e pedem atenção da Prefeitura. “Divulgam uma campanha com uma frase”se você ignorar o mosquito da dengue hoje, ele vai procurar você amanhã, mas fingem que não enxergam a sujeira aqui na rua”, desabafou a moradora.

Este ano, a Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria Municipal de Serviços já realizaram arrastões no centro e no Biriça do Valado. No dia 27 de fevereiro o arrastão acontecerá no Jardim Europa, no dia 12 de março, no Parque dos Estados. Os bairros foram escolhidos, segundo a Prefeitura, em razão do número de casos registrados no ano anterior.