A Polícia Civil da região continua investigando pelo menos três casos que tiveram grande repercussão em toda região:  o assassinato do jovem Vitor Rodrigo Alves, de 18 anos, que ocorreu no dia 3 de janeiro em Atibaia, bem como os homicídios de Sebastião Carlos Bragion, de 53 anos, dono de um supermercado em Joanópolis assinado no dia 6 de dezembro e de Yara Fabian Pinheiro da Silva, de 13 anos, que morava em Piracaia e cujo corpo foi encontrado em Nazaré Paulista no dia 16 de dezembro.

ATIBAIA

Na manhã de terça-feira, 3, policiais militares  foram acionados a comparecer na estrada do Laranjal, em Atibaia, onde havia uma pessoa caída no chão ao lado de uma moto.

Os policiais se deslocaram rapidamente até o local e depararam com um homem aparentando 18 anos, caído de barriga para cima e apresentando ferimento provocado por um tiro na nuca.

Além da moto, havia um aparelho celular e dois capacetes ao lado da vítima.

No momento que o corpo foi localizado a mãe da vítima chegou na delegacia para registrar um boletim de desaparecimento do rapaz, que saiu de casa na noite anterior. Ela identificou o corpo como de Vitor Rodrigo Alves, de 18 anos.

A Polícia Civil continua investigando o caso.

PIRACAIA/NAZARÉ

A cidade de Piracaia continua exigindo respostas sobre o assassinato da jovem Yara Fabian Pinheiro da Silva, de 13 anos que foi encontrada morta no fim da tarde desta sexta-feira, dia 16.

O crime é investigado em conjunto pela Polícia Civil de Nazaré Paulista e Piracaia.

A garota saiu por volta das 13h do dia 15 de dezembro da cidade de Piracaia para ir ao dentista na cidade de Atibaia.

O seu corpo  foi encontrado às margens da represa de Nazaré Paulista com cerca de 20 facadas.

 

 

JOANÓPOLIS

No dia 6 de dezembro, Sebastião Carlos Bragion, de 53 anos, dono de um supermercado em Joanópolis, foi morto em sua própria residência, no centro.

Ele foi encontrado pela sua esposa, caído no corredor que dá acesso aos quartos, por volta das 22h, cerca de meia hora depois que ele teria chego em casa.

O comerciante estava com os pés e mãos para trás, amarrados com cardaços uma camisa amarrada no pescoço e uma meia de seda amarrada na boca. A casa estava toda revirada, mas a esposa não soube informar o que havia sido roubado.

Segundo o delegado José Glauco Silveira Lobo Ferreira, as investigações continuam a todo vapor para esclarecimento do caso.