Na quinta-feira, 17, em duas operações distintas pelo menos 79 pessoas foram presas acusados de pedofilia ou pornografia infantil.  As prisões aconteceram na véspera do Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual Infantil celebrado hoje, 18.

A Polícia Civil prendeu  76 pessoas que armazenavam e compartilhavam imagens pornográficas envolvendo crianças. As detenções,  aconteceram em cidades de todo o Estado de São Paulo, durante a operação “Luz da Infância II” – a segunda fase da ação iniciada em outubro de 2017.

A operação, deflagrada em território paulista com o objetivo de reprimir os abusos sexuais por meio eletrônico, contou com o empenho de 250 agentes do Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O trabalho de campo faz parte de uma operação nacional organizada pelo Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).

A ação também contou com apoio do Departamento De Investigações Sobre Crime Organizado, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) e do Departamento de Inteligência da Polícia Civil (Dipol).

Foram cerca de quatro meses de investigações, com rastreamento de transferências e compartilhamentos de arquivos com conteúdo de exploração sexual de crianças e adolescentes e instauração de inquéritos. Foram cumpridos 166 mandados de busca e apreensão, que resultou, até o momento, em 76 prisões por armazenamento e compartilhamento de imagens.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Além disso, foram apreendidos cerca de 2.627 objetos apreendidos, entre CD’s, DVD’s, HD’s, computadores, tablets, pen drives e celulares. “Todos os equipamentos que foram apreendidos serão encaminhados para perícia e, após esse resultado, as investigações prosseguem e pode haver uma mudança em relação a tipificação penal”, explicou Sato.

“A sociedade não pode admitir que uma criança seja vítima de qualquer crime, em especial aos que envolvam a dignidade sexual, então se receber tem que apagar e comunicar as autoridades imediatamente”, orientou o delegado-geral em exercício Julio Gustavo Vieira Guebert.

A Secretaria de Segurança Pública realizou uma coletiva de imprensa sobre o assunto na tarde de quinta-feira, 17. (foto)

Na mesma data,  Polícia Federal deflagrou  nova fase da operação Safenet, visando ao combate da pornografia infantil. Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Santo André, Guarulhos e Suzano. Três pessoas foram presas em flagrante na posse de material pornográfico infantil, sendo duas em São Paulo e uma em Santo André.

Durante o cumprimento dos mandados foram apreendidos celulares, mídias e computadores que serão encaminhados à perícia, a fim de identificar outros envolvidos que compartilhavam imagens e vídeos contendo material pornográfico.

Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelo crime de adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registo que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente, com penas de 1 a 4 anos de prisão.

A Polícia Federal informou que desde 2017 foram realizadas 29 prisões em flagrante pelo crime de posse de material pornográfico infantil e foram cumpridos 95 mandados de busca e apreensão em investigações de combate à pedofilia, realizados na grande São Paulo.

A PF segue continuamente realizando ações, a fim de reprimir o abuso e a exploração sexual de menores em todas as suas modalidades.

Foto: Secretaria de Segurança Pública

 

Deixe uma resposta