Na tarde de quarta-feira, dia 4, o prefeito Jesus Chedid e secretários municipais se reuniram com representantes da Associação Brasileira de Beneficência Comunitária (ABBC) com o objetivo de tratar sobre questões relacionadas ao gerenciamento compartilhado das unidades de saúde e também da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Vila David e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

A reunião se estendeu até por volta de 23h30.

Ficou decidido na oportunidade que o município irá voltar a administrar as unidades de saúde e que em 90 dias a ABBC tem que mostrar melhorias no atendimento tanto no SAMU quanto na UPA.

A Prefeitura tem dois contratos com a ABBC firmados em 2013 pelo prefeito Fernão Dias e julgados irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Somados estes contratos, segundo a Prefeitura, custam mensalmente aos cofres públicos cerca de R$ 3,2 milhões.

O contrato para administração compartilhada das unidades de saúde se encerraria em março de 2017 e a partir de agora, se inicia um processo de transição, em 60 dias, para que a Prefeitura reassuma o gerenciamento das unidades. O contrato para gerenciamento da UPA e Vila David, iria até setembro de 2016, mas amigavelmente, optaram por antecipar esta rescisão para 90 dias.

Outra medida tomada durante a reunião, foi com relação às dívidas.

A ABBC no final de dezembro anunciou que a Prefeitura devia para a entidade cerca de R$ 8 milhões, relacionados a serviços prestados em anos anteriores. Na época, Fernão Dias ressaltou que não reconhecia esta dívida. Agora a organização social assinou um acordo com a Prefeitura e não irá mais cobrar estes valores.

“Assinamos um acordo eles não vão cobrar mais a dívida. Fizemos um acordo para diminuição do prazo de contratos da UPA para 90 dias. Nós não temos nada contra a ABBC, nós queremos um bom serviço. Eu me sinto satisfeito e feliz com este desdobramento.”, disse Jesus Chedid após a reunião.