Neste domingo, dia 31, foi realizada na Escola José Guilherme, a convenção do PSDB de Bragança Paulista. Diferente das outras convenções realizadas até o momento, o clima não era de alegria e sim de tensão.

A tensão se deu, é claro, porque o partido está rachado há anos. Nas eleições de 2010, quando o ex-prefeito João Afonso Sólis (Jango) lançou sua esposa Kátia Sólis como candidata a deputada, uma ala do partido não concordou. Depois foi a vez, da candidatura de João Carlos Carvalho a prefeito em 2012, desagradar e desagregar parte dos integrantes do partido.

Nos últimos quatro anos, o partido não conseguiu se reestruturar de forma hegemônica e nesta manhã, durante a convenção, era nítida a divisão no grupo.

De portas fechadas, os filiados e representantes da Executiva fizeram suas considerações.  Nem a imprensa nem os políticos de outros partidos puderam entrar e acompanhar os debates.

Depois de algum tempo reunidos de portas fechadas, Jango anunciou que ele abriu mão da candidatura a prefeito e que o mesmo foi feito por João Carlos Carvalho.

Diante desta decisão, colocaram em votação se o grupo apoiaria o Democratas, do Grupo Chedid ou PSB, de Gustavo Sartori. Ao todo podiam participar da votação 39 pessoas e 36 compareceram.

Vale ressaltar que se na convenção do PPS foi registrada a presença de diversos pré-candidatos, e partidos, na convenção do PSDB a movimentação foi ainda maior.

Entre os pré-candidatos a prefeito, estiveram no local Gustavo Sartori,  Rodrigo Pires Pimentel, Joca Vascocellos, Renato Frangini, Beth  Chedid e Amauri Sodré. A convenção contou ainda com a presença dos vereadores Miguel Lopes e Rafael de Oliveira, do ex-prefeito José de Lima e do deputado estadual Edmir Chedid.

Logo após a votação foi feita então a apuração dos votos, na presença dos representantes da Executiva e da imprensa.  Os filiados ao partido, assim como os maiores interessados na votação: Gustavo Sartori e Edmir Chedid e seus acompanhantes ficaram do lado de fora.

O Democratas obteve 20 votos a seu favor e o PSB 13 votos.

Edmir Chedid venceu assim, uma polêmica queda de braços com João Afonso Sólis (Jango). No início de junho, ele anunciou que este apoio aconteceria por determinação da Executiva Estadual do partido.

Jango, na época, alegou que não estava inelegível e após ir para São Paulo, anunciou que não teria que engolir esta parceria e ele seria o candidato. Até o o governador Geraldo Alckmin acabou entrando no assunto, durante visita a cidade. Na oportunidade, ele disse que não iria influenciar na escolha.

Confira o vídeo com trechos do momento em que Jango e João Carlos anunciam o resultado da votação:

 

Após a votação Jango não quis falar com a imprensa. Disse que respeitava a decisão das urnas e se retirou do local dizendo que João Carlos Carvalho falaria em nome do PSDB. Este por sua vez, disse que não se manifestaria, mas acabou discursando após receber os cumprimentos de Edmir Chedid.

Confira o vídeo com trecho do discurso de João Carlos Carvalho:

 

Nos dois mandatos de prefeito, Jango foi quase que diariamente massacrado pelo grupo Chedid. Ele não se manifestou sobre o posicionamento que tomará nas eleições, já que não será candidato. Sua filha, Larissa Sólis, entretanto, publicou um recado em seu facebook após o término da convenção com os seguintes dizeres:

“Apesar de 1 sigla estar junto com aqueles que tanto massacraram a minha família nós NUNCA apoiaremos, entendeu? NUNCA.”

Com a decisão da convenção, fica em 1 x 1 a disputa de bastidores entre Edmir Chedid e Gustavo Sartori, Gustavo derrotou Edmir ao conquistar apoio do PRTB, e tirar do grupo Chedid, uma possível candidata a vice-prefeita: a vereadora Gislene Bueno.

Edmir por sua vez deu o troco conquistando apoio do PSDB, partido do Governador Geraldo Alckmin e assim aumentar, ainda mais, o tempo de propaganda eleitoral do seu grupo.

O clima continua esquentando nos bastidores da política e até o dia 5 de agosto, prazo final para a escolha dos candidatos muita água ainda pode rolar.

Por enquanto, a única candidatura certa é a de Renan Oliveira do PSOL, cuja convenção foi realizada também no domingo e traremos mais informações a respeito em outra reportagem.

Será que haverá polarização entre o Grupo Chedid e Gustavo Sartori do PSB?

Ou teremos ainda candidaturas solitárias  do PPS de Renato Frangini e do PSD de Fabiana Alessandri?

O certo é que com a ida do PSDB para o Democratas, o cenário de oposição ao grupo Chedid muda e as estratégias e articulações continuarão nos bastidores.