Volta ao cidadão bragantino uma propriedade que outrora fora do município.

Por opção e questões pessoais em 31 de dezembro de 2012 me afastei totalmente da politica partidária e desde então me abstive de tecer publicamente qualquer comentário  acerca de atos ou providencias da administração publica, principalmente local, mesmo quando várias vezes tive opinião contraria e entendi que o ato praticado não seria bom para a cidade ou não estavam conforme os projetos e ideologias que defendi durante os 2643 dias que ocupei o honroso cargo de Secretário Municipal de Transito e Segurança.

Calei-me em respeito aos que me sucederam à frente do cargo, pois quem está ocupando a função  além do dever de se dedicar com afinco e fielmente cumprir o seu mister tem o direito de gerir conforme suas convicções, pois se foi escolhido para estar ali o foi por seus atributos e virtudes, que são distintos em cada ser humano.

Também me calei em respeito aos subordinados que tive ao longo da minha gratificante empreitada, principalmente aos que foram mais próximos e que sempre ouviram de mim que quando eu não mais estivesse ocupando aquela posição eu não iria fazer qualquer manifestação acerca do trabalho de quem viesse a me suceder fosse de qualquer partido ou grupo politico e caso algum dia eu pudesse ajudar quem ali estivesse o faria com muito prazer, mas nunca iria atrapalhar o trabalho de ninguém.

Sempre trabalhei tendo em mente que seria um trabalho temporário e que independente do tempo que durasse, a cada novo dia eu teria que dar o melhor de mim em prol daqueles que vivem na cidade que nasci e que pretendo viver toda a minha vida.

As atribuições do cargo me impuseram tomar decisões muitas vezes polemicas e que nem sempre agradaram a todos, porém sempre as tomei com a consciência tranquila de que estava agindo de maneira justa, legal e em beneficio do interesse coletivo e da sociedade, mesmo quando era contrario a alguns interesses individuais.

É sabido que fiz parte de um grupo que na época tinha divergências politicas com o atual grupo que comanda nossa cidade, não obstante, eventuais divergências do passado sempre desenvolvi o meu trabalho priorizando o desenvolvimento da cidade e bem estar a nossa população.

Depois de mais de quatro anos de silencio, sinto-me na obrigação de manifestar-me como ex-agente politico e cidadão bragantino.

É com imensa satisfação e alegria que vejo essa noticia e não tenho outra coisa a fazer a não ser parabenizar a administração municipal pela atitude de iniciar o processo para resgatar um patrimônio que já pertenceu à municipalidade.

Talvez poucos saibam da historia da área que hoje abriga o CISEM – Complexo Integrado de Segurança e Emergência do município. Até o ano de 1961 tal imóvel era patrimônio da municipalidade.

O então Prefeito Municipal Professor Ângelo Magrini Lisa, através da Lei 484 de 03 de outubro,de 1961 efetuou a doação de tal área ao Governo do Estado de São Paulo para o fim expresso de “ser construído o prédio destinado ao Posto de Mecanização Agrícola, deste Município, subordinado ao DEMA – Departamento de Engenharia Mecânica da Agricultura”.

O objetivo da administração municipal, na época, era dar suporte e fomentar a atividade agrícola da cidade instalando aqui o equipamento estadual.

Em 1970 a CAIC – Companhia Agrícola Imobiliária e Colonizadora, empresa estatal estadual incorpora a área de motomecanização do DEMA, passando então a área anteriormente doada pelo município a fazer parte do ativo da companhia estatal.

Mais tarde, em 1987 a CAIC transformou-se em CODASP – Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo, encerrando alguns anos depois as atividades em nossa cidade.

O prédio, então construído em área doada pelo município, não mais servia à finalidade prevista no artigo 2º da Lei 484/61, ficando por longos anos em total estado de abandono e indevidamente fazendo parte do patrimônio de uma empresa de economia mista, pois não mais cumpria o encargo para o qual fora recebido em doação.

Em 2005,  quando assumi a Secretaria Municipal de Trânsito e Segurança, que funcionava no Paço Municipal, planejamos a instalação em nova área para que fosse possível melhor acomodar todos os serviços, sendo então o prédio abandonado pela CODASP ideal.

Em 2006,  a SMTS ali foi instalada, iniciando então um processo para reincorporação de tal imóvel ao patrimônio publico municipal.

Por diversas questões tanto externas, quanto internas não consegui até dezembro de 2012 alcançar tal objetivo. Então só tenho que reconhecer e enaltecer o trabalho da administração municipal que em duas semanas de trabalho já deu um passo tão importante para reconquista desse patrimônio ao município.

Desejo que a administração atual que comanda a cidade tenha muito sucesso e continue dando passos importantes como este para recomposição do patrimônio e principalmente contribuindo  para a melhoria da segurança pública de nossa cidade.

Parabéns!!!

 

                                                                    Sérgio Pereira da Silva