Conforme o publicado no Imprensa Oficial desta sexta-feira, dia 29 de dezembro, desde quinta-feira, dia 28, quem esta gerenciando as unidades de Urgência e Emergência do município é o Instituto Social Med Life.

Com a contratação emergencial do Med Life, a Reviva deixa de administrar, também de forma emergencial, a Unidade de Pronto Atendimento Vila Davi, e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), mas continua atuando nas unidades básicas de saúde do município.

O contrato emergencial com a Reviva terminou no dia 27 de dezembro e a substituição acontece faltando menos de 20 dias para realização de processo licitatório para contratação de Organização Social de Saúde, para atuar nestes locais.

A licitação está programada para o dia 15 de janeiro, as 9h30, na Divisão de Compras, Licitação e Almoxarifado.

A Prefeitura, poderia ter prorrogado o contrato emergencial, já que faltam poucos dias para licitação, mas optou por um novo processo de contratação.

O valor do contrato emergencial com o Instituto Social Med Life é de R$ 3.841.500,00.  O contrato com a Reviva era de 3.842.133,00, ou seja R$ 633,00 mais caro.

Este instituto foi qualificado no município como Organização Social de Saúde no dia 25 de agosto e já havia participado do primeiro processo de contratação emergencial, perdendo para a Reviva.

Esta é a segunda mudança no comando do gerenciamento das unidades emergências no ano. Isto porque, até setembro, UPA e SAMU eram geridos pela Associação Brasileira de Beneficência Comunitária (ABBC).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



 

A contratação emergencial foi necessária porque a Prefeitura chegou a abrir uma licitação do mês de dezembro, mas na oportunidade, desqualificou a Reviva, que foi a única entidade interessada no processo.

A desqualificação ocorreu no mesmo dia em que o Bragança Em Pauta, divulgou que o Ministério Público e o Gaeco apontaram ligação da Reviva com a organização social Vitale, cujos integrantes, foram presos na Operação Ouro Verde. Para os promotores não há dúvidas da ligação de Fernando Vítor Torres Nogueira Franco diretor da Vitale com a Reviva.

Na época, em nota, a Reviva negou qualquer ligação do mesmo com a entidade, embora, como mostra a foto, Fernando Vitor, tenha participado da solenidade de assinatura de contrato da entidade com a Prefeitura de Bragança Paulista, oportunidade em que se apresentou como um dos representantes da instituição.

Fernando Vítor, também citou o nome do deputado Estadual Edmir Chedid em uma gravação telefônica que consta nas investigações da Ouro Verde. No áudio ele acusa o deputado de cobrar pedágio para organizações atuarem na região.

O deputado, na oportunidade, citou que foi citado “injustamente” e que isto não significa que ele seja investigado na operação.

Ele inclusive pediu na Assembléia Legislativa a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito a fim de apurar contratação de organizações sociais, no Estado de São Paulo.

1 comentário

  1. Sou técnico de enfermagem em São Paulo mas minha mãe mora aqui em Bragança, por isso estou sempre por aqui, tive que levá-la para passar no pronto atendimento da upa e em 40 minutos que fiquei surpreso em presenciar muitas melhorias, imagino para quem mora aqui em bragança!!
    Essa empresa está de parabéns, que continuem a fazerem um bom trabalho como estão mostrando.
    Além do mais é minha mãezinha que sempre precisa bastante do atendimento desta upa….rsrs
    Obrigado e continuem assim

Deixe uma resposta