A Associação Brasileira de Beneficência Comunitária (ABBC), depois de assustar funcionários na segunda-feira, dia 26,  anunciando durante reunião que pagaria o 13º salário em cinco parcelas a partir de março de 2017, volta atrás e inicia o depósito dos valores.

Não há informações oficiais de quantas pessoas já receberam o 13º salário e nem de até quando todos funcionários receberão já que apesar de contatos por telefone e e-email com a entidade, não obtivemos resposta até as 17h40.

Apenas recebemos a informação de que realmente começaram a pagar os valores.

Importante lembrar que estavam com o 13º atrasados os funcionários da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e do  Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), bem como técnicos de enfermagem, auxiliares de dentista e de farmácia, psicólogos e educadores físicos que prestam serviços nas unidades de saúde.

Após o anúncio de que o 13º salário seria pago em cinco parcelas os funcionário estavam se organizando para realizar uma manifestação, que a principio, ainda está programada para as 11h desta quarta-feira, 28, em frente a entidade.

A grande preocupação dos funcionários da saúde é que com a mudança de gestão o contrato com a entidade possa ser quebrado ou se cumprido até o final, não seja renovado e caso existam pendências, eles sejam prejudicados.

Vale lembrar que a ABBC além de anunciar que pagaria o 13º salário em cinco parcelas, disse também na reunião com os funcionários que a Prefeitura tem uma dívida com a entidade de aproximadamente R$ 9 milhões.

Em nota, a entidade que até então nunca havia se pronunciado com relação a estas dívidas, afirma que cerca de  R$ 8 milhões são repasses atrasados de exercícios passados, ou seja de anos anteriores.

“Hoje temos uma dívida reconhecida de exercícios passados junto à Prefeitura de 8 milhões e mais 1.5 milhões que são referentes a repasses a menor dos últimos 03 meses. Com relação à previsão de pagamento estamos constantemente buscando uma posição junto à Prefeitura.”

A ABBC é responsável pelo gerenciamento compartilhado da saúde no município desde 2013 através de dois contratos: uma que prevê o gerenciamento das unidades de saúde e vai até o dia 29 de março de 2017 e outro que vai até 29 setembro de 2017 e engloba o gerenciamento da UPA e do SAMU.