Funcionários das empresas Nossa Senhora de Fátima Auto Ônibus e da Embralixo voltaram ao trabalho, após a paralisação realizada na quarta-feira, dia 8, por causa dos salários atrasados.

A coleta de lixo, foi normalizada ainda na quarta-feira, no final da tarde, já o transporte coletivo só voltou ao normal na manhã desta quinta-feira, dia 9.

A expectativa era de que ambos os serviços tivessem voltado ao normal ainda ontem, por volta das 15h, mas os funcionários decidiram voltar ao trabalho, só depois de receber.

A empresa efetuou o pagamento, após tratativas com o sindicato e a Prefeitura.

Durante a reunião, a Prefeitura esclareceu que realizou o pagamento à empresa Embralixo mediante depósito judicial, pois a empresa não possui as certidões necessárias para o recebimento em conta, como por exemplo, a Certidão Negativa de Débitos.

Já a empresa  Nossa Senhora de Fátima, não recebe repasses mensais da Prefeitura, pela concessão do serviço público, mas recebe  repasses dos vales transportes e para receber este pagamento, a empresa precisa apresentar toda a documentação necessária, incluindo os comprovantes dos últimos 6 meses dos recolhimentos do INSS e FGTS dos funcionários e das suas cotas patronais à Prefeitura.

O Secretário de Planejamento Marcelo Soares, disse que a Embralixo tem prazo de cinco dias para apresentar a CND e receber o repasse.

A Prefeitura informou ainda que na negociação anterior realizada pelo prefeito Jesus Chedid com a empresa o executivo adimpliu com 230 mil reais, além do acordado de 600 mil, para que a empresa possa pagar também o combustível da frota.

O prefeito Jesus Chedid, ressaltou que espera que com esta reunião de quarta-feira, dia 9, não aconteçam mais atrasos dos salários.

“Espero que após essas reuniões as empresas cumpram o acordo, caso contrário a cidade terá outra empresa operando. O funcionalismo da empresa está com razão na atitude tomada, pois não podem passar pela falta ou atraso de pagamento. A população pode ficar tranquila, a Prefeitura não tem nada em atraso com as empresas e elas deverão cumprir com o acordado”, disse o prefeito Jesus Chedid.

O presidente do Sindicato, José Martins dos Santos, também ressaltou que espera que não aconteçam novos atrasos e caso ocorram, o sindicato tomará as medidas jurídicas cabíveis.