TRE-SP indefere mais um candidato a vereador de Bragança

Nesta semana, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em São Paulo, impugnou mais um candidato a vereador de Bragança Paulista.

Trata-se da candidatura de José Roberto Munhoz, que utiliza o nome político de Nego Munhoz, do MDB (Movimento Democrático Brasileiro), ex-PMDB.

O juiz eleitoral de Bragança Paulista, Rodrigo Sette Carvalho, já havia indeferido Nego Munhoz em primeira instância, baseado na Lei da Ficha Limpa. Isto porque o candidato possui condenação pelo crime de receptação, artigo 180 do Código Penal.

IMPUGNADO EM PRIMEIRA INSTÂNCIA

Na decisão local, o juiz eleitoral afirmou em sua decisão que: “As certidões apresentadas demonstram que o pretenso candidato foi condenado como incurso no crime de receptação à pena privativa de liberdade, substituída por pena restritiva de direito, com sentença transitada em julgado em 25 de fevereiro de 2019… a extinção da punibilidade em razão do cumprimento da pena, hipótese dos autos, não afasta a incidência da inelegibilidade prevista”.

IMPUGNADO EM SEGUNDA INSTÂNCIA

O desembargador Nelton Agnaldo Moraes dos Santos, relator do caso no TRE-SP, se manifestou da seguinte forma: “o artigo 15, III, da Constituição Federal prevê como causa de suspensão dos direitos políticos a condenação criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus efeitos. Dessa forma, é certo que o condenado definitivamente não estará no pleno gozo de seus direitos políticos enquanto durarem os efeitos de sua condenação”.

E complementou: “Assim, a inelegibilidade prevista no art. 1°, I, “e”, item 2, da LC n° 64/90 decorre de condenação criminal com trânsito em julgado ou proferida por órgão colegiado, pela prática de crime contra o patrimônio privado, o sistema financeiro, o mercado de capitais e os previstos na lei que regula a falência, e estende-se desde a condenação até oito anos após o cumprimento da pena. No caso, o recorrente foi condenado, nos autos do processo-crime nº 000471913.2019.8.26.0502,  à pena de 1 ano de reclusão em regime aberto, substituída por prestação pecuniária no valor de R$ 998,00 e multa no valor de R$ 312,33, pela prática do crime tipificado no artigo 180, caput, do Código Penal”.

O desembargador votou por negar provimento ao recurso do candidato Nego Munhoz e foi acompanhado por unanimidade por seus pares: os desembargadores Waldir Sebastião de Nuevo Campos Junior (Presidente), Paulo Sérgio Brant de Carvalho Galizia e Nelton Agnaldo Moraes dos Santos; e dos juízes Manuel Pacheco Dias Marcelino, Mauricio Fiorito, Afonso Celso da Silva e Marcelo Vieira de Campos.

PODE RECORRER

Nego Munhoz ainda pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasilia e continuar a campanha.

A reportagem do Em Pauta tentou contato com o presidente do MDB de Bragança, Carlos Splendore, para saber se o candidato irá recorrer ou desistir, mas não obteve êxito.

OUTROS CASOS

Ainda tramita no TRE-SP, o caso do candidato a vereador de Bragança, Rodrigo Fernando de Azevedo, que utiliza o nome político Rodrigo Agarra, do Partido Verde (PV).

Ele teve sua candidatura indeferida em primeira instância, pois estaria inelegível por estar condenado no artigo 328 do Código Penal: “usurpar o exercício de função pública” e sua pena seria de 3 meses e 15 dias de detenção.

No sistema de divulgação de candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral, constam como indeferidos Nego Munhoz e Bruno Sucesso, que foram impugnados em primeira e em segunda instância. Além de Rodrigo Agarra, que aguarda julgamento. Já a candidata Kelly Oliveira, também indeferida, desistiu da candidatura e foi substituída.

Para conferir outras notícias sobre as Eleições 2020 em Bragança Paulista e região, aliás é muito fácil.  Acesse:  https://bragancaempauta.com.br/tag/eleicoes-2020/

Quer receber notícias de Bragança Paulista, bem como região no celular? É só clicar aqui:
WhatsApp do Bragança Em Pauta

Deixe uma resposta